Palavra do Presidente


POR SUA ORIGEM etimológica a palavra “Sindicato” provém do latim (Syndicus) e do grego (Sýndikos), referindo-se a um representante escolhido por determinada comunidade com fins e propósitos em comum.

Tal vínculo associativo, é típico do sistema de produção capitalista, resultando da união da classe operária, para impedir ou atenuar a exploração dos trabalhadores” segundo bem definiu o professor Altamiro Borges em sua obra “Origem e Papel dos Sindicatos”.

A introdução se faz necessária, a fim de reconvencer as categorias profissionais sobre a importância dos Sindicatos como Associações que lutam pela prevalência e aperfeiçoamento dos direitos e das conquistas trabalhistas, principalmente as coletivas, em geral, inseridas nos Acordos e nas Convenções de Trabalho.

Com o advento da “Reforma Trabalhista” promovida pela Lei nº 13.467/2017, o movimento sindical se viu surpreendido com a inclusão de Artigo (por parte da Câmara Federal), tornando “facultativa” a então contribuição sindical compulsória

Cabe aos entes sindicais em representar suas respectivas classes, efetivando negociações coletivas que visem o bem comum e, como dito acima, buscando impedir ou atenuar o avanço desmedido do capitalismo selvagem.

Porém, para que se efetivem tais ações, se torna imperiosa a existência da sua correspondente fonte de custeio e, neste aspecto, é necessária que a contribuição sindical, advinda de um dia de trabalho anual, se torne essencial para a manutenção do sistema, sem a qual não se procedem as Ações jurídicas, sociais, culturais e assistências desenvolvidas.

Nesta hora em que se perpetra o desmonte do Direito e do Processo do Trabalho, em detrimento dos empregados, se tornava “lógica” a necessidade de se procurar desmontar, enfraquecer e, até mesmo, extinguir Sindicatos profissionais e suas forças representativas, e, para tal fim, tornou-se “facultativa” a autorização individual para a ocorrência do desconto da contribuição sindical

No campo empresarial este “baque” financeiro não se mostra tão grande e danoso, uma feita que perdura incólume o Sistema “S” e seu correlato financiamento patronal.

Dessa forma, se impõe reconscientizar os trabalhadores sobre a necessidade e importância de fortalecerem suas respectivas entidades sindicais, autorizando o desconto da contribuição sindical, visando, notadamente, a prevalência dos Direitos Sociais e Coletivos tão vilipendiados pela “Deforma Trabalhista e Sindical” em questão, relembrando que…

“Só a União Faz a Força”!

 

Edson Ribeiro Pinto
presidente